Evolução automóvel?

28 04 2010

A tecnologia tem vindo a evoluir rapidamente e isso reflecte-se sem dúvidas nos automóveis. Hoje em dia os automóveis tem elevados padrões de qualidade, a mecânica e electrónica evoluiu consideravelmente, contudo existe algo de errado, algo estagnou no tempo: o conceito, este tem mais de 100 anos de vida e já passou por 3 séculos diferentes. Os automóveis continuam a ter um chassis/carroceria e um motor de combustão interna.

Se compararmos um automóvel actual com um automóvel dos anos 80 do mesmo sector, deparamo-nos com algumas curiosidades: O automóvel recente certamente terá uma melhor qualidade de construção, mais segurança e muito mais equipamento. Por outro lado o automóvel recente pesará mais 200Kg e as performances e consumos pouco se diferenciarão (sobretudo nas versões a gasolina). Resumindo a evolução de 30 anos pouco se reflecte no rendimento do automóvel… Contudo com os problemas relacionados com o preço do petróleo e o aquecimento global justificaria outro tipo de evolução, uma evolução cara a eficiência.

Existem muitas soluções para aumentar a eficiência dos automóveis e a meu ver a melhor opção, passaria pela massificação do automóvel eléctrico. Em termos construtivos, os automóveis eléctricos são mais simples (e baratos) que os actuais automóveis com evoluídos motores de combustão interna, apresentam um rendimento cerca de 2 a 3 vezes superior e a emissão de gases é 0. Claro que existem desvantagens no automóvel eléctrico, mas certeza que continuar a apostar em motores de combustão interna não é o caminho mais indicado.

Anúncios




Racionalizar o consumo de electricidade é importante

12 04 2010

A racionalização do consumo de electricidade traz grandes vantagens a nível económico e ambiental, pois a redução do consumo não só se reflecte na factura energética como numa redução nas emissões de CO2.

A electricidade em Portugal provem de fontes renováveis e de combustíveis fosseis. Dentro das renováveis temos sobretudo a hídrica e a eólica e em termos de combustíveis fosseis temos centrais termoeléctricas de ciclo combinado (de elevada eficiência) e turbinas de gás que se destinam a injectar energia em horas de ponta com um rendimento termodinâmico inferior (mais emissão de gases poluentes).

A energia renovável tem um custo relativamente reduzido, o seu preço é pouco variável e a emissão de CO2 é zero. Por outro lado, o custo da energia proveniente da queima de combustíveis fósseis, tem uma clara tendência a aumentar e o seu preço é pouco previsível para além de emitir grandes quantidades de CO2 para a atmosfera. É normal que as companhias energéticas queiram vender a maior quantidade possível de energia por via renovável e recorram aos combustíveis fósseis para suprir o excesso de consumo praticado em horas de ponta.

Nestes moldes, a redução de consumo implicara uma redução de queima de petróleo, isto não só implicara uma redução nas emissões de CO2 como implica numa não indexação do preço da electricidade ao preço do petróleo. Se a racionalização do consumo de electricidade não for efectuado, certamente veremos as tarifas de electricidade a aumentar drasticamente.