Alternativas aos painéis solares

30 06 2009

Alternativas aos painéis solares

Para quem quiser uma alternativa eficiente e não pretende instalar painéis solares, existem as bombas de calor para aquecimento de águas sanitárias. As bombas de calor funcionam segundo o mesmo princípio dos sistemas de ar condicionado (ciclo de refrigeração), absorvendo o calor da atmosfera e transmitindo-o para a água do termoacumulador.

Estes sistemas quando comparados com os termoacumuladores eléctricos ou a gás, são cerca de 3 a 4 vezes mais eficientes, contudo apresentam uma desvantagem, o elevado preço.

Anúncios




XI Encontro de Clássicos Viana Motor Clube

27 06 2009

No Sábado 27 de Junho, Viana do Castelo foi palco de mais um encontro de automóveis clássicos (já la vão 11 edições).  Durante a parte da manha os Vianenses puderam apreciar cerca de 70 automóveis antigos, existindo variedade para todos os gostos (automóveis americanos, europeus e japoneses de diferentes anos de construção), mas todos eles tem um ponto em comum, a raridade de os avistar nas estradas, tornando-se já obras de arte sobre rodas.

O passeio levou aos participantes visitar o museu Indian, onde estavam expostas motas antigas deste já extinto construtor americano e onde também se destacam alguns modelos que foram utilizados na 2ª Guerra Mundial. O encontro terminou no museu do pão em Outeiro, que para além de apreciar os tipicos bolos de sardinhas e de chouriça de cebola, também assistiu-se a actuação da Tuna de Veteranos de Viana do Castelo.

Por último deixo algumas fotos do evento:

P1010426

P1010357

O Mercedes 190E 2.0, foi o veiculo com o qual participei neste evento. Este veiculo destaca-se pela raridade (nesta motorização) e pelos equipamento pouco comum neste modelo (ar condicionado, tecto de abrir, pintura metalizada e jantes em liga leve do modelo 16V)

P1010360

P1010375

P1010384

P1010417

P1010398

P1010410

P1010414





Michael Jackson, o Rei morreu

26 06 2009

michael_jackson

The Black Legend & The Withe Superstar, a curiosa descrição utilizada num conhecido canal de música sobre a controversa imagem do Rei do Pop. Michael Jackson (MJ) revolucionou a música, a dança e os vídeo clips. Ainda hoje, grande parte da música pop segue as pisadas de MJ.

MJ iniciou cedo a sua carreira, junto com 4 irmãos formaram os Jackson 5 (ver vídeo 1). Já nesse tempo, MJ revelava um dom especial para a música e a dança. Contudo, seria em 1982 com o Album Thriller que MJ revolucionaria por completo a música pop. O álbum Thriller é simplesmente o mais vendido de todos os tempos (cerca de 100 milhões de cópias) e com o vídeo clip Thriller marcou um ponto de viragem nos videoclips (vídeo 2).

A discografia de MJ não é unicamente de entretimento, também dedicou várias músicas a causas humanitárias (Video 3), satirizou políticas de guerra, desigualdade e de falta de respeito ao meio ambiente.

Independente do que se diga MJ já não está entre nós, mas a discografia e videografia permanecerá para a eternidade.

Vídeo 1

Video 2

Video 3





Estatísticas da energia

24 06 2009

Energy Stats

O que os Portugueses pensam acerca da energia?

Este blog apoiado por formulários on-line poder-nos-a revelar este enigma! Espero que a participação seja elevada, pois a energia tem um elevado impacto na pela manutenção do meio-ambiente e no desenvolvimento sustentável.

Podem aceder ao site (aqui) e ao primeiro inquérito sobre energia nuclear (aqui).





Os novos pobres

23 06 2009

Os novos pobres

O aumento de desemprego causado pelo fecho de inúmeras empresas, fruto da crise económica mundial (ou não…), está a causar o surgimento de um novo extracto social: os novos pobres.

As pessoas mais afectadas por este fenómeno são indivíduos de meia-idade, que geralmente trabalharam na mesma empresa e/ou posto de trabalho durante vários anos e que tem elevados encargos mensais (empréstimos e terceiros a suportar). Os baixos rendimentos, a fraca expectativa de encontrar novo emprego, aliada a elevados encargos, torna a gestão do orçamento familiar insustentável.

Qual será a solução ao problema? Aumentar o apoio social, mediante algum subsídio complementar? Talvez… contudo a política social não tem sido eficiente em Portugal, culpa das chamadas “sansugas de subsídios” que colocam em causa a sustentabilidade do sistema de segurança social e por vezes impossibilitam a chegada desses subsídios as pessoas realmente necessitadas.

Medidas de apoio social a estas pessoas é mesmo necessário, contudo isto não resolve o problema, pois novos casos surgirão enquanto não atacarmos o problema pela raiz ou seja pelas causas.

As origens deste problema estão nas próprias empresas e na cultura laboral. O mercado económico global é extremamente dinâmico e flutuante e muitas empresas não acompanharem esse ritmo, estando condenadas a falência. A aposta na diversificação de produtos, enquadrar a empresa num mercado global, apostar na inovação e conseguir responder as necessidades do mercado é fundamental para a sobrevivência de uma empresa. Por sua vez, o trabalhador deve seguir esse ritmo dinâmico, mostrando uma maior polivalência de aptidões, onde será indispensável uma formação profissional sólida e eficiente.

Uma empresa que trabalhe durante anos num único produto e cujos empregados estejam afectos ao mesmo posto de trabalho durante longos períodos de tempo, são os maiores potenciais alvos para aumentarem o número de novos pobres.





Da Política Às Politiquices

21 06 2009

A abstenção e a descredibilização dos Portugueses perante as Forças Politicas deve-se sobretudo aquilo do que eu apelido de politiquices. De facto nos últimos tempos têm-se feito pouca política, dando lugar a uma troca de acusações entre partidos e respectivos líderes.

A política consiste em debater ideias, propor novas ideias, apresentar alternativas as ideias por outras propostas, sempre com o intuito de se poder aplicar do melhor modo os dinheiros públicos e contribuir para o desenvolvimento de uma forma sustentável. Desafortunadamente, hoje em dia não se verifica isto e a culpa é dos próprios políticos, que tendem insistentemente a criticar os adversários duma forma destrutiva e não apresentam soluções aos problemas. Mas não é só os políticos que tem culpa, os próprios meios de comunicação social tendem a dar ênfase a essas politiquices e ignorando realmente o conteúdo construtivo dos discursos políticos.

As últimas eleições europeias foi um claro exemplo do que não se deve fazer na política, atacar os adversários em vez de trazer ideias para o debate.





As cidades e a poluição

18 06 2009

As cidades e a poluição

Hoje em dia habitar numa grande cidade, implica conviver com a poluição, sobretudo fruto dos transportes que emitem gases poluentes, partículas e ruído.

Em pleno século XXI todos estão cientes deste problema que é o trânsito nas grandes cidades, que não só polui o ambiente, como cria uma cultura de stress aos condutores. Andar nos passeios de uma grande cidade também é uma experiência desagradável, o elevado ruído dos veículos aliado a “fumaceira” dos arranques desenfreados dos modelos diesel ou das motorizadas a 2 tempos.

Será que o problema do trânsito e da poluição subjacente ao mesmo, não tem solução? Na realidade não existe uma solução, mas com a conjugação de várias soluções consegue-se minimizar os efeitos deste problema. Seguidamente vou citar algumas:

  • Desviar o trânsito alheio das cidades. Por exemplo para eu ir para Lisboa tenho que atravessar o Porto. Não faz sentido as principais artérias de trânsito interferir com o congestionado trânsito dos grandes centros urbanos.
  • Criar uma rede de transportes públicos eficiente.
  • Os autocarros com motores diesel devem ser eliminados e no futuro substituídos por autocarros a hidrogénio.
  • Criar grandes parques gratuitos nas redondezas das cidades, apoiadas por uma rede eficiente de transportes públicos, de modo as pessoas deixarem lá as viaturas e poder-se deslocar a vontade nos grandes centros urbanos.
  • Construir ciclovias nas principais artérias das cidades, para que andar de bicicleta, não se torne uma aventura de risco.
  • Restringir a circulação nos centros urbanos a transportes públicos e veículos eléctricos.