O sentido da Música (parte 3)

30 05 2009

Vou dedicar esta 3 parte a música nacional. O primeiro vídeo clip que vou colocar é uma sátira aqueles Portugueses que se dedicam a música puramente comercial e que recorrem ao inglês. Os Sam the Kid não poupam críticas a estes artistas aos quais lhes atribui o título de poetas de Karaoke:

O segundo vídeo clip é dos GNR, um dos grandes grupos de rock da terra de Camões. A música tem por base um forte poema sobre o mito que é Maria:

O último grupo que vou apresentar não é de todo português, eles auto-intitulam-se como seres vindos de outro planeta e trazem a sua mensagem na sua música. Muitos dos temas são cantados num idioma próprio e imperceptível como é o caso do que vou apresentar. Os Blasted Mechanism destacam-se por serem diferentes, por terem uma sonoridade própria e pela postura em palco.






Petróleo o mercado da especulação

28 05 2009

Petróleo o mercado da especulação

A energia é vital para o funcionamento da economia e em grande parte é dependente do Petróleo. A excessiva dependência do petróleo vivida nos dias de hoje, cria uma desigualdade entre os países produtores e os consumidores de petróleo, sendo que as regras do mercado do petróleo não obedece directamente as leis do mercado da oferta e procura para a fixação dos preços, mas sim ao chamado mercado da especulação.

Nos dias de hoje, o petróleo deixou de ser apenas uma fonte de energia e passou a ser também uma arma de pressão para política internacional e em alguns casos um pretexto para a guerra e o terrorismo. Sendo que o preço ronda em torno dessas tensões e especulações.

Não é só os problemas de mercado a marca negativa do petróleo, também é o seu preço, que hoje em dia está excessivamente inflacionado e prova disso (para dar um exemplo) é o desenvolvimento patente no Dubai, que graças aos Petro-dólares, está a ser construída uma das maiores cidades em cima do deserto.

Os especialistas dizes quo o Petróleo não acaba no mundo! Temos petróleo para várias décadas e quando acabarmos com o petróleo, já teríamos destruído o planeta, pois a emissão de gases resultantes deste panorama, teriam um impacto climatérico e ambiental sem catastróficos.

O “cancro” não esta apenas associado ao mercado e preço do petróleo, também está patente nos países consumidores. Em Portugal, como em outros países desenvolvidos, a fiscalidade associada aos combustíveis que tem por base o petróleo é elevada. Por exemplo na gasolina, sempre que enchemos o depósito, mais de metade do que pagamos reverte para os cofres do estado. A receita do imposto sobre os produtos petrolíferos, tem um impacto elevado no Orçamento do Estado, este facto ira sem dúvidas dificultar a proliferação de alternativas ao petróleo, como os automóveis eléctricos e os biocombustíveis por exemplo.





A Magia da Escrita

26 05 2009

A Magia da Escrita

Ler é uma actividade fascinante no qual podemos sentir, imaginar, viajar… no fundo um sentimento que se torna de certa forma indescritível, diferente mas muito excitante. Se ler dá asas a imaginação, escrever permite-nos libertar a imaginação, deixar fluir aquilo que bem do subconsciente, encarnar personagens que pouco ou nada tem que ver connosco, sentir o que elas sentem, reagir de uma forma impulsiva e diferente daquilo que nós faríamos. Simplesmente uma sensação espectacular!

Escrever não só nos permite libertar a imaginação como também nos permite libertar sentimentos incompreendidos, profundos, estranhos… Mas o mundo da escrita não termina aqui, cada escritor pode inventar a sua forma de escrever, fazer jogos de palavras, fazer algo original, algo diferente…

Neste âmbito foi criado um site que é o História sem fim, onde toda a gente pode escrever e dar asas a imaginação. Se derem uma olhadela ao site poderão ver alguns trechos de escrita da minha autoria, mesclados com trechos de outros autores. Um das minhas ideias mais diferentes foi este poema que está por terminar, o poema intitula-se como o poema da amizade e cada quadra representa um amigo.





Aerogeradores e os pássaros

24 05 2009

P1010273

Quem nunca ouviu dizer que os aerogeradores matam pássaros? Sim é verdade os aerogeradores podem matar pássaros, contudo como é possível que um aerogerador que tarda mais de um segundo a dar uma volta, consiga matar pássaros? A resposta não esta na velocidade de rotação mas sim na velocidade linear na ponta do aerogerador. Se fizerem os cálculos obterão velocidades superiores a 300Km/h.

Na realidade o impacto não é tão grande como muitas pessoas pensam, a maior parte de morte de aves com aerogeradores, sucedeu no início dos parques eólicos, pois a instalação dos mesmos não tiveram em conta rotas migratórias de aves. Mesmo assim, os maiores causadores de morte de pássaros, ainda são os postes eléctricos e as estradas. Os aerogeradores surgem em terceiro lugar nesta lista negra.

Deixo por último um vídeo que gravei no parque eólico da espiga de um aerogerador, olhem para a ponta da pá para terem a percepção da velocidade.

Outro artigo com curiosidades da energia eólica aqui.





Automóveis a meio caminho

22 05 2009

Automóveis a meio caminho.

Ao longo deste blog, tenho sido um crítico na evolução do sector automóvel, nomeadamente na procura em alternativas em termos de combustíveis, pois neste momento praticante não existem no mercado. Contudo e em seguimento da crise do petróleo do verão de 2008, viu-se um aumento na preocupação dos construtores na diminuição do consumo deste combustível.

Apesar da crise do petróleo, em que o custo do crude superou longamente a barreira dos 100 USD, os modelos de menor consumo surgiram num período anterior a esse marco histórico. Estou a falar por exemplo do conhecido Lupo 3 Litros, que consumia apenas 3 litros de gasóleo por cada 100Km percorridos, este modelo não teve sucessor. Outros modelos que surgiram no virar do século foram os híbridos, como o Toyota Prius ou o Honda IMA, que conjugam o convencional motor de combustão interna com um motor eléctrico e baterias. Os construtores tem vindo a construir automóveis mais eficientes, contudo a evolução é tímida para os tempos em que andamos.





O sentido da música (parte 2)

20 05 2009

Não há dúvidas que U2 é um grande grupo, com uma rica discografia, contudo vou dar realce a um tema: Sunday Bloody Sunday. Esta música relata um acontecimento negro da história da Irlanda, quando o exército inglês, em 1972, abriu fogo contra uma manifestação pacífica contra as políticas do governo Irlandês, o resultado deste acidente foi trágico: 14 mortos, dos quais 6 eram menores. Esta música tem uma letra e uma musicalidade fenomenal, deixo aqui uma actuação ao vivo do grupo Irlandês:

Sem dúvida os Pink Floyd foi o grupo que marcou o ponto de viragem para a música pop rock dos dias de hoje. Foi em 1973, com o álbum “Dark side of the Moon”, que revolucionaram a música com misturas e sonoridades diferentes ao que se fazia na época. Em 2005 a mítica banda juntou-se para tocar sucessos como “Money”.

Os Guns’n’Roses são sem dúvida um dos melhores Grupos de Heavy Metal de todos os tempos. Em 6 anos, este grupo conseguiu uma discografia excelente! Vou dar destaque a uma música que critica os conflitos armados, nomeadamente a guerra, que por curiosidade tem legendas em português.





O futuro é a agricultura

18 05 2009

O futuro é a agricultura

Pode parecer um título caricato, uma regressão no tempo, mas não! A agricultura pode ser uma “vias de escape” a crise. Como se pode explicar que nos dias de hoje ainda há fome? Porquê ainda estamos tão dependentes do petróleo? A resposta a estas perguntas está na ignorância, na indiferença, na falta de visão perante problemas globais das várias potências mundiais.

A agricultura e a legislação circundante a mesma não se adequam aos tempos de hoje e muito menos aos tempos de amanha. A produção de cereais, legumes e frutas deveria sofrer um forte aumento, sendo que quota-parte destes alimentos, deveriam ser destinados a abastecer povos menos favorecidos, assim como pessoas com dificuldades. Os excedentes resultantes de uma “massificação da agricultura” e lixo orgânico de origem agro-pecuária, deveriam seguir para a produção de biocombustíveis, sem que a produção destes coloque em causa a alimentação ou force a indexação do preço dos cereais ao petróleo.

A “massificação da agricultura” não só poderá diminuir a fome no mundo e a diminuição da dependência do petróleo, como poderá servir como rampa de lançamento para a economia, criando milhares de postos de trabalho e movimentando milhões de euros. Contudo existe uma cara reversa, se não for correctamente controlado esse “boom” de agricultura, poder-se-á colocar em causa a sustentabilidade meio-ambiental e criar um impacto negativo em termos de ordenamento de território.

Por último deixo uma crítica ao que se refere a indiferença do povo perante o Parlamento Europeu, pois é função deste organismo definir as regras do jogo da agricultura na Europa, entre outras funções.